329-logo-blog-sticky
  • ATIVIDADE ACADÉMICA
    VER PÁGINA

Olho seco é a doença ocular da atualidade

Home Clinsborges

O Olho seco é um verdadeiro problema de saúde pública: mais de 15% dos adultos (cerca de 1 milhão e meio de portugueses) apresentam queixas de dor ou desconforto ocular na se­quência desta condição.

Neste contexto, podemos definir o olho seco como o desajuste entre a quantidade/qualidade da secreção lacrimal e as necessidades de lubrificação da superfície do olho. A lágrima forma uma película que recobre o globo ocular e a face interna das pálpebras, para que estas durante o pestanejo passem suavemente sobre o olho sem o “arranhar” ou danificar, funcionando como o óleo de uma máquina.

Na sua vida profissional, os indivíduos são expostos a inúmeros fatores ambientais identificados como fonte de secura ocular.

Refira-se, por exemplo, a utilização prolongada dos ecrãs e a diminuição do pestanejo; a exposição aos poluentes ambientais; o tabaco e o seu efeito na destabilização da película lacrimal; a humidificação deficiente e o aumento da evaporação da lágrima, bem como o aumento crescente das viagens de avião.

É ainda de salientar a maquilhagem, que liberta substâncias indesejáveis, quebrando o equilíbrio da película lacrimal; as lentes de contacto que dividem o filme lacrimal provocando uma maior tendência para sua evaporação; as técnicas de cirurgia refrativa, em particular o LASIK, que provocam uma secura ocular por desenervação da córnea.

O olho seco manifesta-se por um conjunto de sinais e sintomas inespecíficos, entre os quais se contam a sensação de picada ou de corpo estranho, o ardor, o lacrimejo excessivo. Na colheita da história clínica, deve desde logo procurar encontrar-se alguma relação entre essas queixas e fatores ambientais, uso de lentes de contacto ou toma de medicamentos, tais como antidepressivos, anti-hipertensores ou anti-histamínicos. É importante a identificação do atingimento de outras mucosas, tais como a bucal ou vaginal. Deve também questionar-se sobre a existência de doenças crónicas gerais inflamatórias ou doenças do foro imunológico, tais como o Lupus ou a Síndroma de Stevens-Johnson.

A produção de lágrimas é igualmente afetada por fatores hormonais, sabendo-se que o olho seco é mais frequente nas mulheres após a menopausa. Outro fator importante é a idade; assim, após os 60 anos a produção de lágrimas é cerca de 25% da verificada no jovem adulto.

Além da história clínica cuidada é fundamental a realização de um exame oftalmológico rigoroso, após o que se poderá estabelecer o diagnóstico clínico de olho seco. Se o olho apresenta ardência/picada, tratar-se-á de um olho seco; no caso de haver prurido intenso será provavelmente uma alergia e no caso de colar e apresentar secreção abundante estaremos provavelmente na presença de uma conjuntivite bacteriana.

Atualmente dispomos de tecnologias inovadoras e não invasivas, tais como o Keratograph ou o TearLab, que nos permitem diagnosticar a presença de um olho seco predominantemente evaporativo ou causado por hipossecreção lacrimal.

Comum ao tratamento de todas as situações de olho seco é a administração de lágrimas artificiais. Em especial, há que ter cuidado com o uso de lágrimas artificiais com conservantes, uma vez que estes podem ter efeitos tóxicos e ser indutores de alergias, e que por si só podem agravar a situação de olho seco. Assim sendo, poder-se-á recorrer ao uso de lágrimas artificiais, tais como por exemplo, o ácido hialurónico, sem conservantes.

Hoje em dia possuímos novas armas terapêuticas como o uso de anti-inflamatórios não esteroides, corticoides ou ciclosporina. Novos tratamentos tais como a Luz Pulsada ou o Plasma Rico em Plaquetas (Endoret), são duas tecnologias recentes de que dispomos também para tratar situações de olho seco moderado ou grave.

Em conclusão, para prevenir e tratar um olho seco, para além da utilização de lágrimas artificiais, é fundamental alertar os grupos de risco para este problema, nomeadamente os idosos, evitar o uso prolongado dos computadores e a permanência em ambientes adversos.

NOTA: Este artigo de opinião foi publicado originalmente no Especial Saúde da Visão – Olho seco é a doença ocular da atualidade (Revista Business Portugal, Outubro de 2019)

Share this article

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *