Valor Magazine – Primeiro Centro Integrado de Olho Seco (CIOS) em Portugal comemora 4 anos

Venho partilhar consigo o artigo de comemoração do nosso Centro Integrado de Olho Seco ( CIOS) que foi publicado na revista Valor Magazine.

De acordo com um estudo recentemente divulgado, a Síndrome do Olho Seco atinge entre 10% a 20% da população mundial e em Portugal são quase 2 milhões de portugueses que apresentam queixas de dor ou desconforto ocular na sequência do Olho Seco, um problema global que pode reduzir significativamente a qualidade de vida.

“Foi em janeiro de 2018 que organizamos um evento de comemoração do primeiro Centro Integrado de Olho Seco (CIOS) em Portugal com a parceria da Clínica Oftalmológica Avançada  de Barcelona. 

Este evento contou com a presença de aproximadamente 40 médicos oftalmologistas e outros profissionais da visão.”

Desde então, procuramos estar na vanguarda recorrendo às últimas inovações tecnológicas e tratamentos emergentes. Além disso, sendo o Olho Seco uma doença multifatorial, trabalhamos também diretamente com especialistas de cada uma das áreas identificadas e relacionadas com os fatores que causam esta doença, tais como: dermatologia, psicologia e nutricionismo.

 

O que é o Olho Seco? 

O Olho Seco é um distúrbio ocular que vai originar desconforto, instabilidade do filme lacrimal e consequentemente danifica a superfície ocular. Os nossos olhos precisam de lágrimas para se manterem saudáveis e confortáveis. Com cada piscar das pálpebras, as lágrimas espalham-se pela superfície anterior do olho, conhecida como córnea, ou seja, as lágrimas fornecem lubrificação e reduzem o risco de inflamação ou infeção ocular. Se os seus olhos não produzem lágrimas suficientes ou de qualidade adequada, a esta Síndrome chamamos de Olho Seco.

Portanto, quando há um desequilíbrio ou deficiência no sistema lacrimal, ou quando as lágrimas evaporam mais rápido do que o normal, o paciente vai manifestar alguns dos sinais ou sintomas do Olho Seco, tais como ardência, prurido, sensação de areia, vermelhidão, hipersensibilidade à luz, visão esborratada, dificuldade em usar lentes de contacto, lacrimejo excessivo ou mesmo fadiga ocular.

Por consequência, esta patologia está cada vez mais presente na sociedade, devido à utilização de ar condicionado, aquecedores, exposição excessiva aos aparelhos digitais ou outras situações à nossa volta que podem promover a secura do filme lacrimal. Contudo, existem ainda outros fatores de risco, tais como:

  • O envelhecimento (idade), nomeadamente a menopausa na mulher.
  • Efeitos secundários de alguns medicamentos tais como os anti-histamínicos.
  • Doenças que afetam a capacidade de produzir lágrimas, como a artrite reumatóide, Síndrome de Sjogren e doenças do colagénio.
  • Problemas que não permitem as suas pálpebras fecharem devidamente.
  • Uso prolongado de máscaras de proteção facial descartáveis.

Como é possível constatar, os sintomas e as causas são claras, bastando haver a má lubrificação dos olhos para se manifestar o Olho Seco. De todo modo, é importante estar alerta, e ficar atento aos sinais, procurando sempre que possível obter um diagnóstico e tratamento rápido, evitando um agravamento da doença.

 

Que métodos de diagnóstico existem no CIOS?

Primeiramente, no início do procedimento avaliamos os sintomas e a sua gravidade com o objetivo de determinar quais os testes a realizar no auxílio ao diagnóstico e, assim, descartar outras doenças oculares ou problemas de saúde que possam estar a causar o Olho Seco.

Além dos métodos tradicionais de diagnóstico destacamos o Keratograph 5M e o TearLab:

  • Keratograph 5M

Este aparelho permite obter um diagnóstico abrangente e fiável da doença ocular. O Keratograph 5M fornece informações claras, qualitativas e quantitativas, sobre a condição da superfície do global ocular, filme lacrimal e Glândulas de Meibómio.

  • TearLab

Este aparelho é utilizado para avaliar a osmolaridade ou salinidade das lágrimas. Ou seja, em apenas alguns segundos, conseguimos identificar um dos mecanismos principais da Síndrome do Olho Seco – a hiperosmolaridade. 

 

Quais os tratamentos existentes no CIOS?

Bom, na maioria dos pacientes com sintomas ligeiros de olho seco, é suficiente usar lágrimas artificiais como, por exemplo, o ácido hialurónico, sem conservantes ou fosfatos. Quando os sintomas são persistentes e graves, há outras opções como o uso de anti-inflamatórios não esteróides, corticóides ou a ciclosporina. 

Alguns tratamentos concentram-se em inverter ou gerir uma condição ou fator que está na origem do Olho Seco. Outras alternativas podem melhorar a qualidade das lágrimas ou impedir que estas se escoem rapidamente.

Os tratamentos emergentes que destacamos no Centro Integrado do Olho Seco são o ThermaEye Plus e Endoret-PRGF

  • ThermaEye Plus – Luz Pulsada (IPL)

O tratamento com luz pulsada de alta frequência (IPL) foi desenvolvido para aliviar o Olho Seco pelo excesso de evaporação, quando as Glândulas de Meibómio das pálpebras não produzem a gordura natural suficiente para diminuir a evaporação das lágrimas.

Este tratamento consiste em aplicar flashes de luz, com certa frequência e intensidade, nas pálpebras inferiores e na parte superior das bochechas, a fim de estimular a circulação sanguínea desta área e a ativação das terminações nervosas em torno da Glândulas de Meibómio, com o objetivo de estimular a produção de gordura que a lágrima precisa. Contribui ainda para a diminuição da dor, inflamação e infeção por parasitas frequentes nesta patologia.

Deste modo é possível melhorar a qualidade da lágrima, a lubrificação da superfície ocular, evitando a rápida evaporação do filme lacrimal e melhorar o suprimento de nutrientes necessários para se manter uma córnea saudável.

  • Endoret-PRGF(Plasma Rico em Plaquetas)

Esta técnica inovadora destina-se fundamentalmente ao tratamento das formas mais graves de olho seco. É uma tecnologia regenerativa, utilizada no olho seco moderado/grave. Utiliza o plasma do paciente de forma a obter-se um produto rico em plaquetas e fatores de crescimento.

O Endoret-PRGF para além do seu potencial antimicrobiano, promove a proliferação celular e acelera a remodelação tecidular, reduzindo a fibrose e a inflamação.

 

Conclusão

A causa do olho seco é um fator determinante para o diagnóstico e tratamento adequado do paciente. No entanto, é também fundamental alertar os grupos de risco para este malefício, nomeadamente os idosos, evitar o uso prolongado dos aparelhos digitais e a permanência em ambientes adversos.

Download do Artigo –

carlos vergés, Clínica Oftalmológica Avançada  de Barcelona, Doença do Olho Seco, Oftalmologia, ojo seco, Olho Seco, Olho seco doença ocular, pontos de vista, prevenção do Olho Seco, sinais do olho seco, síndrome do olho seco, sintomas olho seco, tratamento olho seco

Marcar Consulta

Necessita de algum esclarecimento ou de agendar uma consulta de oftalmologia?

Utilize um dos contactos disponibilizados.