Nevrite Óptica por Sífilis: Análise de Um Caso Clínico

INTRODUÇÃO

A sífilis consiste numa infecção sistémica provocada pela espiroqueta Treponema pallidum. Apelidada de “grande imitadora”, pode afectar todas as estruturas oculares (1).

As manifestações oftalmológicas podem surgir nos estádios secundário e terciário, sendo a uveíte a alteração mais comum (1,4).

Outras manifestações incluem a esclerite, espisclerite, queratite intersticial, retinite, vasculite retiniana, neurorretinite, coriorretinite e descolamento seroso da retina (1). A nevrite óptica constitui uma manifestação pouco frequente (1,8). Os autores descrevem um caso clínico de nevrite óptica por sífilis.

CASO CLÍNICO

Doente do sexo masculino, 59 anos de idade, recorreu à Consulta Externa por diminuição súbita da acuidade visual (AV) do olho esquerdo (OE) com um mês e meio de evolução. Como antecedentes pessoais, apresentava um atraso do desenvolvimento psicomotor por complicações durante o parto, hipertrofia benigna da próstata e diabetes mellitus tipo 2 diagnosticada há 2 anos.

Encontrava-se medicado com metformina e doxazosina. Ao exame objectivo oftalmológico, apresentava uma melhor AV corrigida de 8/10 no olho direito (OD) e de conta dedos a um metro no OE, sem alterações dos reflexos pupilares. A biomicroscopia revelou uma facoesclerose bilateral.

Fundoscopicamente, não eram observáveis alterações no OD (Fig. 1-A). Contudo, apresentava uma ligeira diminuição do reflexo foveal do OE (Fig. 1-B). Foi realizada uma Tomografia Óptica de Coerência (OCT), que não demonstrou quaisquer alterações. A angiografia fluoresceínica revelou uma ligeira difusão tardia a nível macular e peripapilar no OE (Fig. 1-C).

Fig. 1 | Retinografia inicial do OD (A) e do OE (B). AAngiografia fluoresceínica do OE (C) revela uma ligeira difusão tardia (7min58seg) a nível macular e peripapilar.

Um mês após a primeira consulta, o doente mantinha acuidades visuais e achados biomicroscópicos sobreponíveis, bilateralmente. Contudo, a fundoscopia do OE revelava agora um edema papilar hiperémico (Fig. 2).

Fig. 2 | Retinografia do OD (A) e do OE (B), 1 mês após a primeira avaliação. Observa-se um edema papilar hiperémico do OE (B).

Na avaliação dos reflexos pupilares, constatou-se a presença de um defeito pupilar aferente relativo à esquerda. Foram novamente questionados os antecedentes do doente, tendo sido relatado um episódio de rash macular no tronco e nos membros há cerca de seis meses, que resolveu espontaneamente em duas semanas. Realizou-se uma perimetria cinética de Goldmann, que demonstrou um alargamento da mancha cega no OE (Fig. 3).

Fig. 3 | Perimetria cinética de Goldmann com alargamento da mancha cega no OE.

Não foi possível estudar a visão cromática devido à reduzida colaboração do doente. De modo a esclarecer etiologicamente o quadro de nevrite óptica anterior, foi solicitado um estudo analítico que não revelou alterações a nível de hemograma, velocidade de sedimentação, proteína C reactiva, perfil lipídico, anticorpos anti-nucleares e enzima conversora de angiotensina.

Contudo, o estudo serológico foi positivo para o VDRL (título de 1:128), FTA-ABS IgM e FTA-ABS sérico, compatível com o diagnóstico de nevrite óptica por sífilis. O anticorpo anti-VIH revelou-se não reactivo.

De forma a estudar o atingimento do Sistema Nervoso Central (SNC), realizou-se uma Tomografia Computorizada (TC) Cranio-encefálica, que revelou uma lesão hipodensa, antiga, associada a atrofia cortical focal no lobo frontal esquerdo. A punção lombar (PL) demonstrou uma pleocitose mononuclear (32 leucócitos/µL com 90% de células mononucleares) acompanhada de proteinorráquia (45,7mg/ dL) e negatividade para o VDRL, alterações compatíveis com neurossífilis.

O doente foi então internado para tratamento, tendo sido submetido a terapêutica com Penicilina G endovenosa durante 10 dias (4 milhões de unidades de 4 em 4 horas). De forma a diminuir a reacção de Jarisch–Herxhmeir (reacção constitucional secundária à morte das espiroquetas) e como tratamento coadjuvante da nevrite óptica, foi administrada metilprednisolona endovenosa, na dose de dez temporal papilar, sem edema (Fig. 4). 250mg/dia, durante 5 dias (1,4).

Fig. 4 | Retinografia do OD (A) e do OE (B), dois meses após o tratamento com penicilina. No OE (B), observa-se uma ligeira palidez temporal papilar.

Dois meses após o tratamento, decorrente do fortalecimento da relação médico-doente, foi revelado que este mantinha relações homossexuais desprotegidas desde há 30 anos. Nesta avaliação, verificou-se uma melhoria da AV corrigida do OE (6/10), sendo observável uma ligeira palidez temporal papilar, sem edema (Fig. 4). A perimetria cinética não revelou alterações (Fig. 5), tal como os potenciais evocados visuais.

Na última avaliação, realizada seis meses após o tratamento, o doente apresentava uma melhor AV corrigida de 8/10 no OD e de 7/10 no OE, sem alterações fundoscópicas de novo. Serologicamente, verificou-se uma diminuição do título de VDRL sérico (1:4). O doente aguarda a repetição de punção lombar.

Fig. 5 |Perimetria cinética de Goldmann sem alterações, dois meses após o tratamento com penicilina.

 

DISCUSSÃO

A sífilis ocular deve ser sempre tratada como uma neurossífilis e implica a realização de PL2. O estudo do líquido cefalo-raquidiano (LCR) é imprescindível para excluir o envolvimento do SNC e identificar os doentes que necessitam de repetição de PL, de forma a avaliar a resposta ao tratamento (2).

O diagnóstico é compatível com neurossífilis caso a análise do líquor revele pelo menos uma das seguintes alterações: pleocitose mononuclear (>5 leucócitos/µL), proteinorráquia (>45 mg/dL) ou VDRL positivo. O VDRL no líquor é frequentemente negativo, visto ser altamente específico mas pouco sensível (1).

No caso clínico descrito, além das alterações verificadas no LCR, foi observada a presença de atrofia cortical na TC, alteração esta também compatível com neurossífilis 7. Nos doentes com sífilis ocular e seronegatividade para o VIH, o título de VDRL sérico deve ser monitorizado semestralmente durante 12 meses.

Caso o título não diminua 4 vezes aos 6 meses ou se verifique uma persistência / recorrência da clínica, é necessário repetir o tratamento. Nas situações em que a análise do LCR revela critérios de neurossífilis, é essencial repetir a PL semestralmente, até que ocorra normalização dos leucócitos.

A normalização da concentração de proteínas é mais lenta e com menor significado. O retratamento deverá ser instituído caso a pleocitose não diminua aos 6 meses ou não ocorra normalização do líquor após 2 anos (2). Todos os doentes com sífilis devem ser avaliados quanto à seropositividade para o VIH e vice-versa (2). Devido à partilha de vias de transmissão das duas infecções, a sua coexistência é frequente. Por outro lado, a sífilis aumenta o risco de transmissão do VIH nas situações em que se verificam úlceras genitais (6).

Apesar de não ser a causa mais frequente de nevrite óptica, a sífilis deve ser considerada no seu diagnóstico diferencial (3,8). Se diagnosticada e tratada precocemente, apresenta um bom prognóstico (8,9).

Leia este artigo completo na versão original AQUI NESTE LINK.

 

BIBLIOGRAFIA

1 – Aldave AJ, King JA, Cunningham ET. Ocular syphilis. Curr Opin Ophthalmol 2001; 12: 433–441.

2 – Centers for Disease Control and Prevention. Sexually Transmitted Diseases. Treatment Guidelines, 2006. MMWR 2006; 55(11): 22-30.

3 – Chao JR, Khurana RN, Fawzi AA, Reddy HS, Rao NA. Syphilis: reemergence of an old adversary. Ophthalmology 2006; 113: 2074-9.

4 – Danesh-Meyer H, Kubis KC, Sergott RC: Not so slowly progressive visual loss. Surv Ophthalmol 1999; 44: 247–252.

5 – Deschenes J, Seamone C, Baines M: Acquired ocular syphilis: diagnosis and treatment. Ann Ophthalmol 1992; 24: 134–138.

6 – Gaudio PA. Update on ocular syphilis. Curr Opin Ophthalmol 2006; 17:562–566.

7 – Peng F, Hu X, Zhong X, Wei Q, Jiang Y, Bao J, Wu A, Pei Z. CT and MR findings in HIV-negative neurosyphilis. Eur J Radiol 2008 Apr;66(1): 1-6.

8 – Smith GT, Goldmeier D, Migdal C. Neurosyphilis with optic neuritis: an update. Postgrad Med J 2006; 82: 36–39.

9 – Weinstein JM, Lexow SS, Ho P, Spickards A. Acute Syphilitic Optic Neuritis. Arch Ophthalmol 1981; 99: 1392-1395.

dor no olho, dor nos olhos, nervo óptico, nervo óptico atrofiado tem cura, nervo optico inflamado, neurite óptica, neurite optica tem cura, neurite optica tratamento, neuromielite óptica, neurosífilis, nevrite óptica, Nevrite óptica por Sífilis, Sífilis, sífilis ocular, sifilis ocular sintomas, sifilis sintomas, sintomas sifilis ocular, tuberculose ocular

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Marcar Consulta

Necessita de algum esclarecimento ou de agendar uma consulta de oftalmologia?

Utilize um dos contactos disponibilizados.