329-logo-blog-sticky
  • ATIVIDADE ACADÉMICA
    VER PÁGINA

Xantomas ou Xantelasmas: descubra os tipos e causas desta doença

Estamos perante um xantoma quando encontramos um material gorduroso, com tom amarelado e rico em colesterol nos tendões ou na pele. A doença está muitas vezes associada a problemas no sistema endócrino e pode aparecer nas pálpebras. Quando assim é, dizemos que se trata de um xantoma ou xantelasma palpebral.

Estamos perante um xantoma quando encontramos um material gorduroso, com tom amarelado e rico em colesterol nos tendões ou na pele. A doença está muitas vezes associada a problemas no sistema endócrino e pode aparecer nas pálpebras. Quando assim é, dizemos que se trata de um xantoma ou xantelasma palpebral.

Apesar de ser um sinal de alerta para outras doenças (como o colesterol elevado), o xantoma em si não tem quaisquer implicações para a visão.

Trata-se apenas de pequenas bolas de gordura que se acumulam sobre a pele e que, por estarem numa zona visível, acabam por ter implicações estéticas. Entre as doenças associadas aos xantomas, destacam-se:

Diabetes

Cálculos biliares

Hipertiroidismo

Pancreatite

Hipertiroidismo

Hiperlipemia

Doenças hepáticas

Devido às mudanças hormonais, os xantomas podem também surgir durante a gravidez. A morfologia é também variada, mas tendencialmente as placas tendem a ser moles, semissólidas e simétricas.

Na maioria dos casos, os xantomas não desaparecem sem intervenção médica, pelo que é necessário proceder ao tratamento.

Diagnóstico e tratamento dos xantomas

Mais do que retirar o xantoma, é necessário perceber a sua origem. Para isso, são muitas vezes realizados exames complementares, como a biópsia ou uma análise sanguínea.

O tratamento deverá ser executado em simultâneo com a remoção: se a origem não for tratada, é comum que o xantoma volte a reaparecer.

Para remover o xantoma existem diferentes procedimentos possíveis. Neste sentido, o melhor será aconselhar-se com o oftalmologista para perceber qual o procedimento mais adequado e com menos riscos. Os procedimentos habituais são:

Remoção cirúrgica

Ablação com laser CO2

Cauterização química

Eletrocoagulação

Crioterapia

Radiofrequência

Nalguns casos, o processo de remoção com laser pode deixar a pele despigmentada, notando-se uma pequena mancha. Trata-se, todavia de uma mancha temporária que deverá desaparecer dentro de alguns meses.

Share this article

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *