329-logo-blog-sticky
  • ATIVIDADE ACADÉMICA
    VER PÁGINA

Prótese ocular: quando se usam e que tipos existem?

Os olhos são uma parte importante da estética facial. Nas situações em que estes têm de ser retirados, existem implicações não só na saúde do doente, mas também na sua autoestima. Neste sentido, a prótese ocular é considerada como um instrumento de reabilitação e não como um mero adorno estético.

Os olhos são uma parte importante da estética facial. Nas situações em que estes têm de ser retirados, existem implicações não só na saúde do doente, mas também na sua autoestima. Neste sentido, a prótese ocular é considerada como um instrumento de reabilitação e não como um mero adorno estético.

As próteses oculares são normalmente utilizadas na sequência de dois tipos de cirurgia ocular: a enucleação e a evisceração.

No primeiro caso, o globo ocular é completamente removido, mas são conservados os músculos responsáveis pelo movimento do olho. Já na evisceração, é extraído o conteúdo ocular, mas são preservadas as camadas externas do olho (esclera, conjuntiva e músculos).

De acordo com a cirurgia, são colocadas próteses diferentes. Na enucleação, é colocado um implante esférico com a aparência de um olho; na evisceração, o implante deve ser colocado com recurso a uma pequena cirurgia.

Tipos de próteses oculares

As próteses oculares podem ser feitas em vários materiais (resina sintética ou porcelana). Cada prótese deverá ser feita de acordo com a dimensão, cor, forma e volume do olho do paciente.

Depois da cirurgia de remoção ocular é recomendável um pós-operatório de cerca de 5 a 6 semanas até receber a prótese. Além de ajudar nas questões estética e psicológica, também será útil para manter a estrutura ocular e impedir que as estruturas subjacentes atrofiem.

A escolha da prótese é normalmente deixada ao critério do doente. O oftalmologista poderá, todavia, aconselhar algum tipo específico. Nalgumas situações, o doente poderá ser intolerante a algum tipo de material.

No geral, as próteses em porcelana (ou chamados “olhos de vidro”) são as menos utilizadas por serem menos resistentes e por terem mais limitações de cores.

Por outro lado, as próteses acrílicas em resinas artificiais tornam-se cada vez mais apelativas por se adaptarem mais facilmente à estrutura ocular e serem mais confortáveis.

No momento em que a prótese é feita, é importante que as medições sejam feitas corretamente.

Caso haja alguma dor ou desconforto, o doente deve entrar em contacto com o prostético ou com o oftalmologista no sentido de perceber imediatamente o que se está a passar. Estes especialistas ajudarão também no processo de colocar, remover e higienizar a prótese.

Share this article

Comentários

  • Avatar
    Jose Matos
    24 October, 2018

    Bom dia Snr Prof Doutor Salgado Borges

    Sou portador de uma prótese ocular desde dos 18 anos e tenho actualmente 52 anos. A cerca de um ano adquiri uma nova prótese numa ótica em Lisboa. Na altura disseram-me que a prótese seria feita através de moldagem e pintura a mão, o que na verdade não aconteceu. Introduzirem uma prótese mais compatível com a cavidade do meu olho, tiraram fotografias ao outro olho e mandaram fazer uma nova. O resultado foi péssimo. Pedia o aconselhamento do Snr Doutor

    • Prof. Doutor Salgado Borges
      Prof. Doutor Salgado Borges
      18 February, 2019

      Olá, obrigado pela sua questão. Lamento sucedido, mas em Lisboa desconheço o local ideal para se dirigir. Pelo menos na zona Norte de Portugal recomendo a Drª. Sandra Prazeres, especialista em oculoplástica. Cumprimentos

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *