329-logo-blog-sticky
  • ATIVIDADE ACADÉMICA
    VER PÁGINA

O que é ceratite ocular? Conheça os sinais e sintomas neste artigo

Falamos de ceratite quando nos referimos a uma inflamação na córnea, que pode ter origem numa lesão por trauma físico ou químico, alergia, doenças imunológicas, ou ser o resultado de uma infeção bacteriana, fúngica, vírica ou parasitária. Descubra neste artigo os principais sinais e sintomas da doença.

Falamos de ceratite quando nos referimos a uma inflamação na córnea. Esta inflamação pode ter origem numa lesão por trauma físico ou químico, alergia, doenças imunológicas, ou ser o resultado de uma infeção bacteriana, fúngica, vírica ou parasitária.

Olho vermelho, dores nos olhos, visão turva, sensação de areia nos olhos, aumento da sensibilidade à luz e inchaço são alguns dos principais sinais e sintomas da doença.

Por se tratar de uma inflamação ocular em tecido transparente do olho, a ceratite é uma doença grave. Na grande maioria dos casos, o problema é completamente reversível, mas para que isso aconteça é importante que seja detetado atempadamente.

Se tal não acontecer, a ceratite poderá evoluir para cenários de maior gravidade, dando origem a úlceras, edemas e outros problemas que levam à perda temporária ou permanente da visão pela perda da transparência da córnea.

O mais comum é que a ceratite afete apenas um olho (ceratite unilateral). Existem, no entanto, casos como os consequentes às conjuntivites víricas, em que a doença é transmitida de um olho para o outro (ceratite bilateral). Trata-se de uma doença contagiosa, pelo que é importante evitar ao máximo a partilha de objetos íntimos bem como aumentar a frequência com que se lavam as mãos.

Os fatores de risco para a ceratite?

São várias as possibilidades que favorecem o aparecimento da ceratite:

Exposição a águas contaminadas, pequenas lesões oculares ou agressões externas por substâncias tóxicas podem levar ao seu aparecimento.

Doenças como xeroftalmia ou a síndrome de Sjögren que promovem inflamação da superfície ocular.

Utilização inadequada de lentes de contacto: é importante deixar os olhos descansar; o uso continuado e prolongado de lentes de contacto aumenta o risco de desenvolver ceratite.

Falhas no sistema imunitário: se, por algum motivo (doença ou exposição a medicamento), o sistema imunitário estiver debilitado, há uma maior probabilidade de desenvolver ceratite.

Tipo de clima: ambientes quentes e húmidos aumentam a propensão para o desenvolvimento desta doença ocular.

Utilização de corticóides: o uso excessivo de colírios com corticoides não só aumenta o risco como piora o estado da ceratite que já tenha aparecido.

Utilização de colírios anestésicos: o uso continuado de colírios anestésicos altera o funcionamento “respiratório” das células da córnea provocando destruição dos tecidos.

Adicionalmente, deve ser também tido em consideração o histórico do doente. Pessoas que já tiveram alguma lesão ocular ou que, no passado, já desenvolveram ceratite têm uma maior probabilidade de a voltar a desenvolver.

Que tipos de ceratite existem?

Existem diferentes tipos de ceratite, que variam de acordo com a causa do problema ou com a parte do olho afetada. Os tipos de ceratite são classificados quanto ao agente que a produz:

Vírica: quando o problema é causado por um vírus (herpes, adenovírus).

Bacteriana: causada por uma bactéria (mais comum em lentes de contacto).

Fúngica, também chamada micótica: com origem num fungo que pode ser de vários tipos.

Não-infeciosa: resulta de uma lesão (traumas físicos ou por substâncias químicas).

Quanto à estrutura da córnea envolvida:

Epitelial: lesão superficial que pode ser:

  • Punctata: lesões em forma de pontos
  • Filamentosa: quando as células superficiais da córnea se soltam e mantêm-se unidas na forma de filamentos.
  • Dendrítica: lesões de aparência ramificada.
  • Bolhosa: quando estamos perante um edema que produz bolhas na superfície

Intersticial: quando a inflamação ocorre na camada intermediária da córnea na forma de edema e/ou vasos sanguíneos neo-formados.

Endotelial: quando a inflamação ocorre na camada mais profunda da córnea.

Share this article

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *